Ao todo, 11 pastas contam com novos gestores. Segurança Pública e Saúde estão na lista. Wanderlei Barbosa é o governador em exercício do Tocantins
Secom/Governo do Tocantins
O governador em exercício do Tocantins Wanderlei Barbosa (Sem partido) fez mudanças no primeiro escalão nesta segunda-feira (25). Além de novos titulares para as pastas que tiveram gestores afastados pela Justiça, houve ainda mudanças em outros departamentos.
A movimentação tinha sido adiantada pelo próprio Wanderlei durante a tarde, ao afirmar que alguns auxiliares de Mauro Carlesse (PSL) não se sentiram a vontade para seguir na gestão. O governador foi afastado por seis meses pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suspeita de corrupção e interferência em investigações policiais.
Confira as pastas em que houve mudanças de chefia
Secretaria de Segurança Pública – sai Cristiano Sampaio e entra Wlademir Costa Oliveira
Secretaria de Parcerias e Investimentos – sai Claudinei Quaresemin e entra José Humberto Filho
Secretaria da Casa Civil – sai Rolf Vidal e entra interinamente Sebastião Pareira Neuzin, novo titular não foi nomeado
Governadoria – sai Divino Allan Siqueira e entra Joseph Madeira
Secretaria da Fazenda – sai Sandro Armando e entra Jairo Mariano (acumulando com a Adetuc)
Secretaria da Saúde – sai Edgar Tollini e entra Afonso Piva de Santana
Secretaria de Comunicação – sai Élcio Mendes, novo titular não foi nomeado
Secretaria Extraordinária de Ações Estratégicas – sai Keliton Barbosa, novo titular não foi nomeado
Secretaria Extraordinária de Assuntos Parlamentares – sai José Humberto Marques e entra Darci Martins Pinheiro
Secretaria da Indústria – sai Tom Lyra e entra Carlos Humberto Duarte de Lima
Agência de Tecnologia da Informação – sai Thiago Pinheiro Maciel e entra Marco Aurélio Giralde
Nos casos de Cristiano Sampaio e Claudinei Quaresemin, o afastamento temporário foi determinado pela Justiça. Depois, Quaresemin pediu demissão e Sampaio foi exonerado por decisão do governador interino.
Além das mudanças de comando, Rafael Sulino de Castro foi nomeado para substituir Inejaim Siqueira. Ele vai ficar como secretário executivo na Secretaria de Administração, cargo responsável por gerir o Servir (antigo Plansaúde), um dos epicentros da investigação que levou ao afastamento de Carlesse.
Os demais secretários que estão de saída do governo não foram alvo e nem são investigados nas operações da Polícia Federal.
A investigação
O afastamento do governador Mauro Carlesse e dezenas de agentes públicos foi determinado monocraticamente pelo ministro Mauro Luiz Campbell e confirmado pela corte do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na manhã da quarta-feira (20) a Polícia Federal fez buscas na casa de Carlesse e na sede do governo do Tocantins. Foram apreendidos dois veículos do governador, levados para a sede da PF em Palmas.
As investigações que resultaram na determinação de afastamento do governador Mauro Carlesse pelo STJ são resultado de duas operações da PF, chamadas Éris e Hygea, que invetigam:
pagamento de propina relacionada ao plano de saúde dos servidores estaduais (Hygea);
obstrução de investigações (Éris);
incorporação de recursos públicos desviados (Hygea).
Conforme apuração da TV Anhanguera, a investigação, que teve início há cerca de dois anos, estima que cerca de R$ 44 milhões tenham sido pagos a título de vantagens indevidas. Os valores podem ser maiores, já que a participação de outras empresas no esquema ainda é investigada.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins


Compartilhar:

Deixe seus Comentario